Educação Musical é tema na EXPOMUSIC 2009

No dia 23 de setembro, junto com a primavera chega a EXPOMUSIC, nossa feira de instrumentos, equipamentos e tudo da música, a quinta do planeta.  E tudo na música começa pela formação e educação musical, motivo que leva a Abemúsica, patrocinadora do evento, a dar destaque para o assunto, na onda da volta do ensino musical às salas de aula.

Segundo estimativas da associação, entrarão no mercado de trabalho cerca de 2 milhões de professores de música, contratados ou reciclados. Os atuais 5 milhões de alunos saltará para mais de 30 milhões quando a Lei 11.769 for colocada na prática daqui a dois anos. Atualmente 50 milhões de crianças poderiam estar aprendendo música.

E como para começar o aprendizado é preciso instrumento, nosso mercado está se mexendo para oferecer a essa multidão de alunos produtos com relação custo/benefício acessível às reais condições da população. Um projeto de lei derrubando o imposto sobre os importados está tramitando e pode acelerar esse movimento  tanto de importados como de nacionais.

Os cerca de 200 expositores da versão 2009 da EXPOMUSIC estão trazendo produtos que atendem a essa necessidade. No nosso mercado musical, os distribuidores trazem os produtos importados em uma interessante forma: cada um traz marcas específicas, que os outros não trazem, em um acordo de cavalheiros.

Vamos fazer uma viagem pelos estandes da EXPOMUSIC 2009, por ordem alfabética, e dando destaque aos instrumentos e equipamentos com custo/benefício interessante para os que começam a montar seu setup , e querem o máximo de qualidade com o mínimo de custo. Essa equação é perfeitamente possível, e importantíssima para a nossa educação musical.

A AMI Music, por exemplo, traz  os microfones da Audio-Technica, as caixas acústicas Bose e Dynaudio, e as guitarras Dean. Dentro da relação custo/benefício um bom produto é o kit de microfones para bateria da Audio-Technica, que vem com 3 microfones para caixa/tom, 1 para bumbo, 3 suportes e uma bolsa para transporte.

B Bends, fabricante de gaitas de Ribeirão Pires, tem uma linha completa de gaitas, um instrumento que tem tudo para acompanhar de perto um estudante de música: pode ir no seu bolso. Um destaque é Techno Harp, com design diferente, corpo em acrílico, 20 vozes e nas tonalidade de C, D, A e G, boa não só para o blues como para outros gêneros.

C Caimbé é pioneira na fabricação de violões com captador MIDI no Brasil. Com sede em Bragança Paulista, desenvolveu vários modelos de violões, alguns com o corpo vazado. É o caso do JDC-N, o mais acessível da linha, com 22 casas, captador hexafônico, pré-equalizador com volume individual por cordas e madeiras nobres como Imbuia e Marupá.

D D’Mark é outro caso de iniciativa nacional na fabricação de instrumentos de qualidade.  Desta vez a idéia veio de São José dos Campos, onde o luthier Marcos Idelusde está há 3 anos fabricando baixos como o modelo Eleghance, em Maple, captação e circuitos próprios e tarrachas e ponte Gotoh. Fabricam baixos de 4, 5, 6 e até 8 cordas.

E Equipo começou em uma salinha do Bom Retiro, importando instrumentos. Cresceu a ponto de ter um dos maiores estandes da feira, trazendo as marcas Behringer, Ibanez e Tama, dentre outras. O destaque fica para a Behringer, que faz 20 anos em 2009, e tem uma linha completa de instrumentos e equipamentos com forte apelo custo/benefício.

F Florence Music também traz marcas renomadas mundialmente, como a Ludwig, Hartke e Washburn. Este ano, além de começar a trazer marcas de custo mais acessível como Samson e Soundking, traz ainda como novidade para a EXPOMUSIC os produtos para DJ da Gemini, como o  CDM3600, uma estação de trabalho para DJs com CDJ duplo, mixer e vários recursos.

G Giannini é uma das marcas brasileiras que sempre fabricou instrumentos eficientes e econômicos, desde 1900. A melhor representante da sua linha é a Craviola, um violão estilizado que já teve sua versão guitarra e mundialmente conhecida. Outros destaques da marca na feira serão os cavacos, bandolins e violas caipiras, além dos tradicionais violões.

H Habro Music é outra distribuidora de marcas famosas como Akai, Moog, Warwick e outras. Sempre se reciclando, procura oferecer ao mercado novidades como as caixas acústicas monitoras KRK, amplificadas com 45, 90 ou 180 watts, com boa relação custo/benefício para os inúmeros músicos que estão montando seu próprio estúdio.

I Izzo Musical traz as marcas Fender, Hohner e outras conhecidíssimas, além de fabricar instrumentos como os Dolphin. Mas traz ao Brasil também um dos produtos mais solicitados: os encordoamentos. O destaque são as cordas anti-ferrugem Elixir, que duram muito mais, principalmente em condições adversas como as encontradas pelos iniciantes.

J Jamesound é uma colega distribuidora da Argentina que também estará presente na EXPOMUSIC. Importa os captadores EMG, dentre outras marcas, uma peça que na evolução dos estudantes pode ser substituída, valorizando o instrumento.  Trazem também as marcas Electro-Harmonix, MXR e SansAmp.

L Leson é sinônimo de microfone. Mais do que conhecida nos palcos tupiniquins, fabrica principalmente microfones com excelente relação custo/benefício, como o famoso SM58, um microfone dinâmico muito usado para voz. Tweeters e agulhas para discos de vinil são outro nicho na sua linha de produtos.

M Michael foi criada a apenas 10 anos em Belo Horizonte, e já assegurou seu lugar ao sol musical, produzindo violões, guitarras, baixos, acordeons, pianos acústicos e eletrônicos, sopros e muitos outros itens e acessórios. Vale a pena conferir a linha de pianos acústicos, de armário e de cauda, com preços competitivos.

N Nenis Eletrônica preenche uma das lacunas que o estudante ou iniciante encontra quando vai montar o seu home studio: um amplificador com baixa potência, com múltiplos usos. É o caso do Pulsar 100, com 100 watts a 8 ohms, controles de volume e master, que o torna possível de funcionar saturado, servindo para amplificar uma guitarra.

O Octagon, diante do alto custo dos pedais para bateria na década de 80, resolveu partir para a fabricação própria. Daí para a fabricação de pratos passaram-se rápidos dez anos, e em 1997 já produzia pratos em bronze. Na EXPOMUSIC de 2001 lançaram a linha Signature F, em 2006 os pratos Concept e este ano a linha Primium, em liga de bronze com estanho.

P Pride Music é uma das mais antigas importadoras do ramo, trazendo marcas como Gretsch, Fender, Jackson, Marshall, Pearl, Shure e Korg. É desta última a surpresa prometida para 2009. Na feira passada a novidade foi o Korg Kaossilator, um instrumento sintetizador de bolso que qualquer leigo pode tocar, bastando para isso usar a tela sensitiva.

Q Quanta é outro caso de músicos que resolveram criar seu próprio negócio, e desde a década de 90 não param de criar. Representam quase todos os software e hardware para computer music no Brasil, e uma das novidades para a EXPOMUSIC 2009 é o Groovemaker, para iPod e iPhone, com o qual você pode se tornar um DJ só com estes aparelhinhos.

R Roland dispensa maiores apresentações, mais nem por isso deixará de apresentar na feira deste ano o sintetizador portátil AX-SYNTH, com design guitarrístico, portas USB e MIDI e capaz de trabalhar até 6 horas com pilhas. Outros destaques são a bateria TD-20 KX, o piano RM-700 e um pedal que emula o reverb de mola Fender, a preço bem razoável.

S Selenium fabrica alto-falantes no sul do Brasil já há algumas décadas, e seus produtos não param de ganhar qualidade, a preços compatíveis com o bolso nacional. Tem uma linha automotiva, e outra de áudio profissional, e até kits de reparos para alto falantes, que, nas mãos de iniciantes a altos volumes, costumam ser úteis.

T Tagima nasceu das mãos do próprio Tagima, um luthier que batalha pela qualidade das guitarras nacionais desde a década de 80. Tem instrumentos que nada deixam a dever aos importados, até mesmo na linha semiacústica. E tem uma linha econômica, de excelente qualidade, a Memphis, com designs de Strato, Les Paul, Telecaster, etc..

W Weril iniciou suas atividades no Brasil em 1909, e hoje exporta para 40 países. Tem uma linha de sopro completa, com flautas, saxes, clarinetas, trombones, trumpetes, tubas e trompas. É presença em feiras internacionais e nesta EXPOMUSIC estará presente com toda a sua linha, além do projeto Sala de Aula Weril, que leva os instrumentos aos alunos.

Como podemos ler, e ver na EXPOMUSIC, não será por falta de instrumentos, importados ou nacionais que a lei que leva a música de volta às escolas deixará de funcionar. Resta agora cuidar do outro elemento essencial necessário para o sucesso da legislação: a presença de músicos ensinando nas salas de aula.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *